Carnes

10/10/2011 – Atualizado em 31/10/2022 – 9:04am

A cadeia produtiva do segmento de proteína animal em Santa Catarina está aperfeiçoando o sistema de rastreabilidade. Esse esforço aumenta a credibilidade do parque agroindustrial catarinense, respeitado e reconhecido no mercado mundial, observa o presidente da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV), Clever Pirola Ávila.
A rastreabilidade permite capturar, armazenar e relacionar desde o provedor de insumos e matérias-primas, produtores, cooperativas singulares, até as unidades industriais, a logística e o transporte, as unidades de venda e os consumidores. Um fluxo com registro, identificação e transmissão de informações permite conhecer a procedência, o produto e sua localização. Trata-se de um monitoramento seguro e completo com registro dos estabelecimentos, das movimentações e das operações, obedecendo normas internacionais.
Ávila observa que “rastreabilidade é uma ferramenta permanente para aplicação ocasional que está relacionada com a eficiência logística e de processos, com qualidade e alimento seguro e constitui-se em diferencial competitivo”.
O presidente da ACAV mostra que a adoção da rastreabilidade serve de apoio para a prevenção de problemas, proporciona informação dentro da empresa para facilitar o controle de processos e a gestão, identifica a origem e a responsabilidade dos problemas. Além disso, fideliza consumidores e assegura a qualidade e a certificação dos produtos.